terça-feira, 3 de janeiro de 2012

Assistenciologia

O que é Assistenciologia?
A Assistenciologia é a especialidade da Conscienciologia aplicada às técnicas de amparo e auxílio interconsciencial, notadamente para a consciência considerada “inteira”, holossomática e multimilenar com vistas à holomaturidade. O trabalho de solidariedade lúcida entre as consciências no caminho para a megafraternidade.

Sinonímia. Ciência da assistência interconsciencial; Ciência da solidariedade; Despertologia; Desassediologia; Carreira de amparo interconsciencial.

O que é Assistência?
A assistência é o ato de assistir, proteger, amparar ou auxiliar.

O que significa o termo assistido?
O assistido é aquela consciência – conscin, homem ou mulher, ou consciex – carente de socorro e/ou ajuda.

Poderia falar um pouco sobre assistencialismo e assistencialidade?
Há 2 aspectos no universo da assistência a serem enfatizados:
1.      Substituível. Todo assistencialismo, ou tacon (tarefa da consolação), não é ideal e precisa ser substituído pela tares (tarefa do esclarecimento).
2.      Substituito. Toda assistencialidade, ou tares, é sempre melhor e precisa ser incentivada a fim de substituir vantajosa e evolutivamente o assistencialismo.

Existem quantas modalidades de assistencialismo?
Eis, em ordem alfabética, 10 modalidades de assistencialismo:
01.  Assistencialismo belicista. (promovido pelos invasores).
02.  Assistencialismo católico.
03.  Assistencialismo comercial. (certos programas de televisão).
04.  Assistencialismo espírita.
05.  Assistencialismo evangélico.
06.  Assistencialismo governamental. (Fome Zero).
07.  Assistencialismo industrial.
08.  Assistencialismo narcotraficante. (negócio marginal).
09.  Assistencialismo político. (demagógico).
10.  Assistencialismo socioso. (populista).

Para entender melhor os princípios da Assistenciologia seria bom colocar uma palavra e um comentário que tenha relação:

Paragenética.
A inteligência é paragenética. Todos temos bagagem de experiências.

Mesologia.
A aprendizagem é mesológica. Cada vida exige nova aprendizagem. Cada vida tem tudo novo o soma, o energossoma, a Genética e a família.

Ignorância e Loucura.
A ignorância não tem vez, até o louco pode estar certo à frente do ignorante, agora a loucura maior é permanecer ignorante ao nível desarrazoado da imaturidade. Até o louco pode ser genial, o ignorante jamais.

Sentimento.
Amar é fazer os outros se sentirem melhor em comparação com você. Tudo o mais é literatura, literatice, pieguice ou infantilismo.

Evolução.
Ninguém evolui por você. Nem a melhor mãe.

Valor.
Sempre vale mais ajudar a ser ajudado. Todos podem ajudar.

Assistido.
O assistido roga, o assistente faz. Busquemos ser, pessoalmente, mais assistentes e não assistidos, mais enfermeiros e não doentes nesta Megaescola-hospital Terrestre.

Surto.
 O surto de causa emocional evidencia a personalidade débil, vitíma das consciexes energívoras. A ansiedade e a queixa, em geral, atuam na maioria dos surtos emocionais.

Gargalhada.
 A gargalhada na dimensão humana, com todo otimismo, tem nítido matiz de escárnio. Já o bom humor é permanentemente indispensável à evolução consciencial. Há bilhões de conscins e consciexes à espera de assistência interconsciencial.

Queixa.
Toda queixa, em si, expressa exigência aos outros.

Exigência.
A rigor, a vida não nos leva à necessidade imperiosa de fazer exigência crítica aos demais.

Ajuda.
Ajudemos sem queixas. Busquemos compreender as reurbexes para assistir às consréus.

Proéxis.
Recebemos, na vida humana, o indispensável necessário para a execução da proéxis.

Alvo.
Na assistencialidade interconsciencial erra quem busca fazer do próprio umbigo a mosca do alvo.

Mordomia.
A mordomia é o ato de fazer para o outro aquilo incluído na responsabilidade dele. Enfermagem não é mordomia.

Limite.
O limite crítico da assistência interconsciencial é a mordomia.

Patrocínio.
O amparador extrafísico não patrocina mordomias para ninguém.

Estupro.
O amparador extrafísico não pratica a condição ampliada da mordomia: o estupro evolutivo.

Transformação.
Ninguém torna-se assediador ou amparador interconsciencial de repente. Toda pessoa reflete a personalidade e autopensenidade mesmo quando não esta fazendo qualquer ato físico ostensivo.

Figurante.
O amparador extrafísico desejaria ser ator coadjuvante, ou até simples figurante útil, junto à conscin assistida.

Espectador.
Na maioria das oportunidades, a conscin necessitada coloca o amparador extrafísico à distância, na condição de mero espectador.

Anistia.
Os amparadores extrafísicos praticam a anistia. Há sempre o momento crítico específico da viragem evolutiva e da reciclagem intraconsciencial.

Megaassediadores.
O maior amparador é quem assiste cosmoeticamente a reciclagem dos  megassediadores. Este é o nível do atacadismo consciencial aplicado à Assistenciologia.

Discrição.
Nos momentos cruciais das vivências extrafísicas, o amparador discreto sai de cena a fim de deixar a consciência se encontrar com outra de maneira mais livre.

Encontros.
Muitos encontros extrafísicos são observados pelos amparadores à distância, em outra dimensão.

Inexistência.
A personalidade mais forte ou vigorosa é a aparentemente inexistente: quem se dissolveu na condição de ego, na multidão das consciências assistidas (paradoxo).

Minicélula.
A minicélula assistencial caminha para a dissolução do ego no anonimato, a conquista prioritária junto ao maxiorganismo assistencial, interconsciencial.

Voluntariado.
Só o ignorante evolutivo confunde o nobre trabalho voluntário de assistir os outros, através da tares, com o ato obtuso de tentar agradar a todos, através da tacon.

Tacon.
Na execução da tarefa assistencial da consolação, em geral, há quem paga você para trabalhar.

Tares.
Na execução da tarefa assistencial do esclarecimento, ou gestação consciencial, você paga para trabalhar. Esta atitude pode ser policarmalidade pura vivida.

Desperticidade.
Somente a desperticidade retira a conscin da mediocridade e predispõe à evitação da condição futura de consciex energívora.

Impunidade.
No país da cultura da impunidade, a assistência social só assiste prioriamente aos assistentes. A cultura da impunidade é megaidiotismo cultural.

Magistrado.
Nenhum magistrado humano aplica normas sobre consciexes. Muitos deles não conseguem atuar nem sobre conscins. A autocorrupção, em múltiplas formas, pode acometer qualquer conscin. 

Poderia me dar uma técnica para que eu saiba meu nível de assistencialidade?
Uma técnica básica para a autopesquisa da assistencialidade: Basta escolher o objeto pessoal mais estimado e dá-lo, embrulhado como presente, para a pessoa menos estimada do círculo de relações sociais. Este é o pré-requisito inteligente para a tares.

Como se desenvolve a tares?
A tacon é um pré-requisito para a tares, e se desenvolve a partir de 10 princípios básicos, aqui dispostos na ordem alfabética dos assuntos mais relevantes:
01.  Assistencialismo. Eliminação categórica da autobiografia do assistente com rigorosa higiene consciencial.
02.  Assistido. Ênfase sobre as reais carências evolutivas do assistido, homem ou mulher, conscin ou consciex.
03.  Convivialidade. Conscientização quanto à assistência interconsciencial, cosmoética, onde importa mais a presença indireta do amparador extrafísico e não permitir o luxo de escolher o momento evolutivo ideal para assistir.
04.  Discrição. Manutenção máxima de discrição quanto ao microuniverso do assistido e a órbita por onde ele evolui.
05.  Minipeça. Conscientização do papel do verdadeiro assistente interconsciencial, homem ou mulher, a minipeça lúcida dentro do maximecanismo de tarefas multidimensionais.
06.  Misticismo. Eliminação de qualquer mistismo em todas as técnicas assistenciais empregadas.
07.  Proxêmica. Atenção específica ao fato de a assistência interconsciencial não permitir o requinte de escolher o local ideal para assistir (placing).
08.  Reciprocidade. Conscientização de ser a assistencialidade lúcida a doação interconsciencial, recíproca. A vida prossegue. Ninguém perde ninguém. A melhor atração dos afins é a da empatia evolutiva pela qualidade cosmoética das manifestações pensênicas.

Como lidar com uma pessoa de difícil convivência?
Quem procura fazer assistência enfatiza a identificação do lado de carência das pessoas e não a capacidade delas em nos aborrecer. A conscin mais desagradável do grupo evolutivo pode ser aquela mais necessitada da ajuda de todos. Pode ser até a filhinha mais querida na condição de consréu ressomada.

Pode comentar algo sobre solidão?
Quem se queixa de solidão, em geral, é porque não pensa nos outros e nem ajuda as pessoas. O amparador intrafísico jamais se sente isolado: além do convívio com as conscins assistidas por ele, recebe assistência dos amparadores extrafísicos.

Bibliografia. Homo Sapiens Reurbanisatus Pag. 235, 236, 237 e 238.  

2 comentários:

  1. William,
    Gostei muito do que li em seu blog.
    Sou espirita mas tenho acompanhado tudo ou quase tudo o que posso na Conscienciologia e reconheço o caminho mais curto que ela nos fornece para o desenvolvimento.
    Parabens!
    Thalya

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Thalya,

      Vai ter um curso de Assistenciologia iniciando dia 20/10, próxima terça-feira no IIPC-SP - Alameda Santos, 1297 - SP. Caso tenha oportunidade e for de SP, venha faze-lo. Fone- 11-3287-9705

      Excluir