sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Crianças consciências multimilenares

William Nascimento
            Você lembra como foi educado pelos familiares na infância? Considerando o paradigma da época, talvez o leitor se recorde de uma infância mais rígida, autoritária e controladora. Comparando com os dias atuais, a criação dos filhos está mais flexível, métodos disciplinares como por exemplo a palmatória, já não se aplicam mais e existem leis que protegem os filhos da agressão dos pais, enfim todo o modelo educacional evoluiu muito com o passar do tempo.
            Considerando a evolução, hoje temos uma novo modelo de referência para estudos e pesquisas, com foco na consciência integral. O paradigma proposto pela Conscienciologia, considera que as crianças são consciências multimilenares, ou seja passam por um ciclo de morte e renascimento, conhecido por reencarnação.
            Esta série de existências explica fatos extraordinários, que a ciência convencional não consegue explicar. Talvez o leitor tenha conhecimento de crianças talentosíssimas com bem pouca idade. Por exemplo uma artista famosa de 6 anos¹ de idade, um exímio tocador de piano com apenas 5 anos², ou aquela criança que vê, ouve e sente a presença de pessoas que já passaram pela morte biológica³ (espíritos).
            Todas as crianças já trazem uma bagagem de experiências de várias vidas anteriores, por isso tem mais facilidades ou talentos para determinadas tarefas. O que ocorre é que a maioria não tem rememoração das vidas anteriores, devido ao restringimento do espiríto ou da alma, ao adquirir um novo corpo físico. Mas existe a tendência desta criança escolher fazer as mesmas atividades que fazia em outras vidas, devido a afinidade inconsciente que traz consigo mesma.
             Para educar as crianças considerando a realidade multidimensional, ou seja a realidade material e imaterial, e das múltiplas vidas, é preciso ter entendimento de como ocorre todo este processo. O Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia, estuda este tema e oferece palestras públicas gratuitas, cursos, livros e artigos, para o leitor interessado em aprofundar nesta e em outras temáticas.

*William Nascimento é téc. em enfermagem, pesquisador, voluntario e docente do IIPC - Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia, uma instituição de Educação e Pesquisa Científica, pacifista, laica, universalista, sem fins de lucro, não doutrinária, independente, que se destaca pela excelência em cursos e publicações técnico-científicas sobre as ciências Projeciologia e Conscienciologia, telefone para contato: 041-3233-5736 maiores informações no site: www.iipc.org

REFERÊNCIAS INFOGRÁFICAS
1. ¹Akiane é uma artista famosa de apenas 6 anos de idade. Site consultado dia 25/11/12 as 10:43 http://akiane.com/home
2. ² Tsung Tsung exímio tocador de piano de apenas 5 anos. Site consultado dia 25/11/12 as 10:41 http://www.youtube.com/watch?v=e3oNVmSaMsE
3. ³ Guilherme Romano descobriu a mediunidade desde os 6 anos de idade. Site consultado dia 25/11/12 as 10:55 http://www.youtube.com/watch?v=FayjPglEU4M&feature=relmfu 

quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Eusápia Palladino e o domínio do parapsiquismo

Ricardo Corrêa
Eusápia Palladino nasceu na cidade de Minervino, Itália, em 31 de março de 1854. Teve um início de vida bem difícil, com o falecimento de sua mãe ao nascer e, do pai, quando alcançou doze anos de idade.
Segundo Vieira, em seu livro Projeciologia – Panorama das Experiências da Consciência Fora do Corpo, Palladino faz parte de seleto grupo de parapsíquicos cujos acidentes físicos no momento do nascimento, com depressões do osso parietal ou mesmo alterações cranianas, resultam na estimulação do parapsiquismo (a percepção além dos sentidos físicos) e na projetabilidade lúcida (saída do corpo ou viagem astral) na fase adulta, em consequência do uso intenso e simultâneo dos dois hemisférios cerebrais logo após o acidente e a gradativa predominância do hemisfério direito durante o crescimento biológico.
Foi considerada por muitos a primeira médium de efeitos físicos a ser submetida à prova por diversos cientistas da época, dentre eles Alexandre Aksakof, César Lombroso, Charles Richet, Enrico Morselli e outros.
Entretanto, dentre os efeitos de telecinesia, levitações e materializações produzidos pela médium, foi acusada diversas vezes de produzir tais fenômenos de modo fraudulento. Segundo pesquisadores, o emprego de fraudes e truques quando o seu dom lhe falhava não invalida hipótese de que Eusápia Palladino tenha sido realmente detentora de “poderes sobrenaturais” ou habilidades parapsíquicas.
A médium também é conhecida por possuir temperamento explosivo, sedutor e instável, apresentando rompantes de agressividade. Eusápia faleceu em Nápoles, em 9 de julho de 1918, aos 64 anos, na pobreza, pois distribuiu a renda ganha com os pobres. Diante das adversidades surgidas ao longo da vida desta sensitiva, importa destacar o legado de desassombro parapsíquico e abertismo perante a pesquisa científica deixada por esta personalidade.
A vivência de fenômenos parapsíquicos não necessita ser filmada ou demonstrada publicamente para ser colocada a prova. O ideal é o próprio indivíduo buscar a comprovação de tais fenômenos através da autexperimentação.  A Conscienciologia convida todos a serem pesquisadores de si mesmo, ser o próprio labcon, ou laboratório consciencial. Desse modo, o deslumbramento diante dos acontecimentos parapsíquicos torna-se secundário, interessando muito mais o uso prático e objetivo do parapsiquismo para o autoconhecimento e a aquisição da automotivação por vivenciar a multidimensionalidade sadia e evolutiva.

Ricardo Corrêa é professor do Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC), instituição de educação e pesquisa científica, laica, sem fins lucrativos. Conheça o IIPC, no site www.iipc.org. Palestras gratuitas todos as quintas-feiras às 19h30 e sábados às 14h30. Telefone  - (41)3233-5736.

Fonte: Jornal Indústria e Comércio, publicado sexta feira 26/outubro de 2012.

quarta-feira, 28 de novembro de 2012

Assédio interconsciencial

William Nascimento
                      Você já ouviu a expressão  ̶  hoje parece que estou com um encosto  ̶  olha fulano está obsediado  ̶  aquele cliente esta possesso! Este tipo de expressão tem sua razão de ser, denominamos como um caso de assédio interconsciencial, que se caracteriza por uma intrusão doentia de idéias, emoções ou energias de uma consciência sobre a outra.
            Os assédios interconscienciais podem ser extrafísicos e intrafísicos, pois a consciência se manifesta além da matéria, usando outros corpos em outras dimensões. Este fato pode ser comprovado através da experiência fora do corpo, também conhecido por desdobramento ou viagem astral. E também pelo desenvolvimento do parapsíquismo, ou seja, a percepção além dos 5 sentidos, faculdade usada por médiuns ou sensitivos.
            Os assédios interconscienciais tem origem no pensamento negativo, a partir da má intenção, gerando uma emoção também desequilibrada e conseqüentemente produz energia com um padrão também doentio. Se este pensamento é direcionado a alguém ou sobre si mesmo, inevitavelmente esta carga de energia vai atingir o objeto alvo. Isto é a causa de inúmeros problemas de saúde e de convivialidade.
            Geralmente os assédios interconscienciais são entre familiares, colegas de trabalho, amigos, companheiros ou com pessoas que não conhecemos intimamente, mas que acabamos tendo contato. O trânsito é um lugar em que ocorre muito assédio, onde pessoas pensam mal umas das outras até chegar no local de destino. Também em filas de banco, supermercado, padarias, enfim em qualquer lugar.
            A causa da interassedialidade é a autassedialidade. A consciência faz mal a si mesma, porque ao pensar mal de alguém, causa intoxicação, bloqueios e perde muita energia. Após uma discussão, muitas vezes ficamos exaustos; se aquilo persiste muito tempo, ficamos tensos, e estressados e a partir daí surgem inúmeros problemas de saúde.
            Para se defender do assédio interconsciencial é recomendado fazer a renovação íntima através da higiene mental. A percepção dos pensamentos negativos dos outros ocorrerá sem causar raiva, emocionalismos e discussões. Ao invés de entrar no padrão do(s) assediador(es), podemos manter a pacificação e a anticonflituosidade e ter mais espaço mental para uma conversa mais assertiva e com isto nos comunicarmos com racionalidade, procurando ajudar e resolver as situações da melhor forma.
            O assédio interconsciencial é apenas um dos temas estudados no Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia, também podemos aprender muito sobre energias e autodefesa energética nas palestras gratuitas e cursos. O leitor não deve acreditar em nada do que leu neste artigo, mas ter as próprias experiências. Venha nos fazer uma visita.
            
*William Nascimento é técnico em enfermagem, voluntario e docente do IIPC - Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia, uma instituição de Educação e Pesquisa Científica, pacifista, laica, universalista, sem fins lucrativos não doutrinária, independente, que se destaca pela excelência em cursos e publicações técnico-científicas sobre as ciências Projeciologia e Conscienciologia Telefone para contato: 041-3233-5736. Maiores informações no site: www.iipc.org

terça-feira, 27 de novembro de 2012

Histórico da Projeciologia

Pedro Borges
            Sentir-se fora do próprio corpo ainda é, dentro do senso comum, fruto da imaginação, sonho ou até mesmo derivado de uma alucinação. O fato é que, analisando com mais cientificidade tal percepção, conclui-se que se trata de um fenômeno plausível, real e objetivo que pode ser  aprendido e desenvolvido por qualquer interessado.
            A experiência fora do corpo, também conhecida como desdobramento, out-of-body experience (OBE), projeção consciente ou viagem astral, é um fenômeno de caráter fisiológico relatado nas mais diferentes épocas por diversas etnias. No período antigo, os egípcios praticavam a saída do corpo e nomearam como kha o veículo que utilizavam para se manifestar durante a projeção consciente. Platão relata em seus livros sobre o caso do soldado Er, o Armênio, em que o mesmo rememorava com lucidez acontecimentos enquanto seu corpo físico permanecia imóvel em meio ao campo de batalha. O historiador grego Plutarco (50-120) descreve também o relato de Arisdeu de Soles, que mudara radicalmente seu estilo de vida, tornando-se um homem de princípios virtuosos, após passar por uma experiência fora do corpo.
            Do séc. XV a XIX, a projeção consciente passou por um período chamado de esotérico, repleto de iniciações e ritualismo de seitas fechadas, devido às perseguições da Inquisição, conhecidas como a caça às bruxas durante a Idade Média. Após esta fase, destaca-se a obra de Emanuel Swedenborg (1688-1772), Diarii Spiritualis, composta por 5 volumes contendo inúmeros relatos projetivos do autor. Já no início do séc. XIX, o escritor Honoré de Balzac (1799-1850) publica o romance autobiográfico Louis Lambert, referindo-se ao termo Homo Duplex como denominação para aquele que pratica a experiência fora do corpo.
            Já na segunda metade do séc. XIX, inicia-se um período de divulgação deste conhecimento. Os fenômenos parapsíquicos começam a chamar atenção de renomados pesquisadores, resultando na criação por Charles Richet (1850-1935) da ciência Metapsíquica, precursora da Parapsicologia. Começam a surgir relatos até mesmo em jornais, sendo uma obra importante desta fase o livro do pesquisador Sylvan Muldoon (1903-1969): A projeção do corpo astral.
            O período laboratorial inicia-se na segunda metade do séc. XX, objetivando o estudo do fenômeno da experiência fora do corpo através de experimentos rigorosos de laboratório. Destaca-se o pesquisador Charles Tart (1937) e seu experimento com a jovem apelidada de Miss Z, na qual  a mesma obteve sucesso ao sair do corpo e observar um conjunto aleatório de números presentes em outra sala próxima ao laboratório, com sua atividade cerebral monitorada.
            Em 1986, o pesquisador Waldo Vieira (1932) lança o tratado Projeciologia, volume com 1.907 referências bibliográficas sobre o assunto, sistematizando o conhecimento acerca do tema e lançando a proposta de uma neociência para estudo das projeções da consciência. Pela Projeciologia, o objetivo já não é mais provar a existência da projeção astral, mas fornecer informações desmistificadas para que cada um possa vivenciar o fenômeno de maneira lúcida, através de técnicas, com foco em assistência e autoconhecimento.
            Os benefícios de tal fenômeno residem no entendimento do processo de evolução pessoal. Ao perceber-se como uma consciência multidimensional, ocorre melhor aproveitamento do tempo e maior autodomínio emocional, através da perda do medo da morte, mãe e pai de todos os medos.
            E você, considera ao menos a hipótese do fenômeno da projeção consciente? Procura vivenciá-lo com determinação, ou prefere manter-se como cético teórico diante de tal possibilidade?

          Pedro Borges é representante comercial e estudante de Psicologia, graduado em Música com habilitação em violão, pesquisador, docente e voluntário do Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC) em Curitiba. Participe das palestras públicas às quintas-feiras, das 19h30 às 21h30, e aos sábados, das 14h30 às 16h30, informando-se pelo telefone 3233.5736 ou pelo nosso site:www.iipc.org

Fonte: Jornal Indústria e Comércio publicado sexta feira 23/novembro.

segunda-feira, 26 de novembro de 2012

Senso universalista


William Nascimento
          Você já teve a sensação íntima de conciliação e conformidade pura com todos os seres do Universo? Neste estado de consciência  ocorre uma identificação com a comunidade Universal, também chamado de cidadania do Universo, cosmopolitismo, mente aberta ou senso eclético.
            É difícil encontrar pessoas com este senso universalista, devido aos condicionamentos psicológicos, sociais e familiares. O patriotismo, sectarismo, elitismo, partidarismo, religiosismo, são posturas antiuniversalistas porque separam e dividem o homem, criando inúmeros problemas sociais.
            O cidadão ou cidadã com senso Universalista se posiciona contra as ditaduras, guerras, fome, consumismo, drogas, poluição, pobreza etc. Defende os direitos humanos, a preservação e recuperação da natureza e suas espécies ameaçadas, visa o poliglotismo, a assistência social cosmopolita sem distinção de grupo social, racial ou etário, preza pela saúde, educação, segurança, lazer, bem estar e longevidade dos bilhões de habitantes deste planeta.         
            Uma das formas de adquirir o senso Universalista é desenvolver a auto-crítica, e analisar as próprias tendências, comportamentos e atitudes, antiuniversalistas no dia-dia. Se inteirar das  opiniões enunciadas em círculos sociais diferentes do seu, conviver num clima de harmonia mesmo com as pessoas que discordam de suas idéias. Ler bastante, falar e pensar em outros idiomas além do idioma nativo, viajar para fora do próprio país também ajuda a eliminar os preconceitos.
            Todas estas atitudes vão ampliar nosso nível de maturidade, aprofundar nosso nível de acuidade e percepção, e conseqüentemente o sentimento de amor cósmico, ou o desenvolvimento da megafraternidade.
            Vale considerar pela ótica da ciência Conscienciologia, que o senso Universalista, abrange também outras realidades ou dimensões além da matéria. Estamos neste momento na dimensão intrafísica, mas existe também a dimensão extrafísica, a qual nos manifestamos com     um outro corpo mais sutil, também conhecido por alma ou espírito, este corpo etéreo chamamos de psicossoma. É com o psicossoma que nos manifestamos ao passar pela morte biológica, numa realidade imaterial sutil e etérea.
            Dependendo da reação do leitor ao saber da realidade multidimensional, já pode mostrar o senso Universalista que ele próprio tem. A postura ideal seria não acreditar em nada, nem mesmo nas palavras deste artigo e sim fazer a experiência pessoal,  este é um dos princípios básicos da ciência Conscienciologia.
             O IIPC Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia oferece cursos e propõe técnicas para os interessados em obter a experiência fora do corpo e comprovar de forma totalmente segura a realidade multidimensional.
            Cabe aqui a seguinte pergunta: Como esta o seu senso Universalista? Tem abertismo para estas idéias?
            
*William Nascimento é técnico em enfermagem, pesquisador, voluntario e docente do IIPC - Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia, uma instituição de Educação e Pesquisa Científica, pacifista, laica, universalista, sem fins de lucro, não doutrinária, independente, que se destaca pela excelência em cursos e publicações técnico-científicas sobre as ciências Projeciologia e Conscienciologia, telefone para contato: 041-3233-5736 maiores informações no site: www.iipc.org

domingo, 25 de novembro de 2012

O trabalho, lazer e suas consequências


Eduardo Bortoleto
            O trabalho e o lazer costumavam se mesclar nas atividades diárias nas sociedades, desde as mais rudimentares até as mais avançadas. Com a evolução da humanidade, mais especificamente nos séculos XVIII e XIX, o homem passou a dedicar mais tempo ao trabalho e o tempo livre passou a ser muito valorizado.  De um modo geral, algumas pessoas estão mais voltadas para o trabalho e outras, mais para o lazer.
            As pessoas focadas no trabalho tendem a banalizar as atividades de descontração, destinando grande parte do seu tempo, energia e pensamento para o processo profissional: podem se tornar workaholics. Pessoas com esse perfil tendem a colocar a carreira e o salário em primeiro lugar, deixando inclusive a felicidade pessoal de lado. Falta-lhes vislumbrar que o lazer é o paradoxo entre o ‘perder tempo’ e o ganho na saúde pessoal.
            As pessoas focadas no lazer veem o trabalho apenas como um meio para se chegar à diversão. Pessoas com esse perfil tendem ao comodismo profissional e aos exageros, com excessos de entretenimento e prazer normalmente prejudiciais. Falta largar a postura do “deixa a vida me levar” e analisar as repercussões dessas atividades. O excesso de bebida, por exemplo, pode resultar em patológica separação da família; o excesso de velocidade pode resultar em acidente trágico; o vício em adrenalina pode resultar em sequelas, e assim por diante.
            Para se atingir o equilíbrio saudável é necessário utilizar o raciocínio lógico e o discernimento, que muitas vezes ficam de lado por imaturidade. A clareza sobre os valores pessoais e os objetivos de vida é fundamental para a escolha das atividades de lazer sadias e de quanto tempo é suficiente para dedicar-se a elas. Acompanhar três novelas diárias é desperdício de vida.
            Com análise aprofundada sobre esses tópicos, verifica-se o quanto o brasileiro ainda coloca-se como vítima da “política do pão e circo” (mesmo séculos depois dos romanos) através do excesso de paixão pelo futebol. São horas diárias dedicadas aos comentários esportivos, jogos e debates com os colegas sobre a última rodada. É mera fuga do autoconhecimento e da convivialidade sadia, sendo válvula de escape da realidade.
            Estudar e planejar as manifestações diárias são o melhor meio para uma vida saudável, equilibrada e feliz. Esse é o primeiro passo para superar o foco no trabalho e o foco no lazer, chegando ao trinômio Motivação-Trabalho-Lazer, no qual o trabalho é automotivador por ser um lazer para o indivíduo. Esse é um tema aprofundado pela ciência Conscienciologia, fundamentada para estudar a natureza plena do indivíduo.

            Eduardo Bortoleto - é consultor de negócios, graduado em Comunicação Social com MBA em Gestão Empresarial. É pesquisador, docente e voluntário do Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia (IIPC) em Curitiba. Participe das palestras públicas aos sábados, das 14h30 às 16h30
site: www.iipc.org

Fonte: Jornal Indústria e Comércio publicado sexta feira 21/setembro.

sábado, 24 de novembro de 2012

Curso intermissivo

William Nascimento          



         Você aceita a hipótese da reencarnação e ser responsável por algo a realizar nesta vida? Tem interesse por assuntos espiritualistas? Já vivenciou algum fenômeno parapsíquico ou mediúnico, como por exemplo, ver, ouvir ou sentir a presença de pessoas que já morreram (espíritos)? E a sensação de estar fora do corpo?
            Após passar pela morte biológica, não deixamos de existir, passamos a nos manifestamos numa outra dimensão não material (extrafísica), através de outro corpo semi-material, denominado pela Projeciologia de psicossoma, também conhecido por alma ou espírito.
            Na dimensão extrafísica, em contato com personalidades (consciências) amparadoras (orientadores extrafísicos ou mentores espirituais)[1] podemos fazer uma análise da última vida, verificar erros, acertos, omissões, pendências e realizações, para medir o saldo do nosso esforço evolutivo.
Para algumas consciências, entre uma vida e outra na dimensão física, será possível frequentar atividades acadêmicas extrafísicas denominadas de curso intermissivo. Este curso serve para planejamento da próxima vida, quando, a própria consciência extrafísica (espirito, alma, ego) sente precisar de uma outra chance, nascer de novo e fazer melhor na próxima existência.
            Com mais lucidez e visão de conjunto muldimensional e multiexistencial a consciência no extrafísico possui maior espaço mental para planejar e definir  o “plano de voo” da próxima vida: o que fazer, como fazer, onde renascer e em qual família.
            Todas estas informações podem parecer loucura, fantasia ou imaginação deste autor, mas há pessoas que já obtiveram lembranças de uma vida passada (retrocognições), como James Huston Jr., cuja narrativa está contada no livro “A Volta”, escrito pelos pais, Bruce e Andrea Leininger – Ed. Best Seller – Rio de Janeiro - 2009.
Admitir a existência da vida após a morte é consequência natural para todos experimentadores, por exemplo, da EQM (experiência de quase morte), ou da projeção consciente, esta última, também conhecida por desdobramento, viagem astral, ou projeção astral. Para estas pessoas este assunto vai parecer mais lógico, racional, possível de suceder.
Um dos princípios básicos da Conscienciologia é o da descrença: Não acredite no que está escrito neste artigo, mas promova uma experiência e autocomprove esta realidade multidimensional. O IIPC Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia oferece cursos e propõe técnicas para os interessados em obter a experiência fora do corpo de forma totalmente segura.
            William Nascimento é téc. em enfermagem, voluntario e docente do Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia - IIPC, uma instituição de Educação e Pesquisa Científica, pacifista, laica, universalista, sem fins de lucro, não doutrinária, independente, que se destaca pela excelência em cursos e publicações técnico-científicas sobre as ciências Projeciologia e Conscienciologia, telefone para contato: 041-3233-5736 maiores informações no site: www.iipc.org


[1] (ver Projeciologia pág. 686)

sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Amparadores extrafísicos


William Nascimento
               Você já ouviu falar de seres espirituais que nos protegem no dia-dia? Alguns chamam de  anjos da guarda, mentores, guias ou seres de luz, chamaremos aqui de amparadores extrafísicos. É uma consciência humana, como nós, a diferença é que ele ou ela, já não esta mais num corpo físico, já passou pela morte biológica, e agora se manifesta com outro corpo mais sutil, também conhecido por alma ou espírito.
            Os amparadores extrafísicos são personalidades benfazejas que nos auxiliam tanto no extrafísico, quanto aqui no intrafísico, ou seja na dimensão espiritual e também na dimensão material. Sua aparência pode ser de homem ou de mulher, em geral reflete a fisionomia do corpo físico usado na última vida na terra.
            Infelizmente nem todo mundo tem um amparador(a) ajudando o tempo todo, tais consciências apenas se manifestam onde tem assistência, onde é possível ajudar de forma mais desinteressada e altruísta, e que haja respeito aos direitos humanos, sem distinção de raça, cor, credo, religião, sectarismos, dogmatismo e fanatismo, é de fato uma assistência universalista visando o melhor para todos os envolvidos.
            Por esta razão nem todos que ajudam na dimensão espiritual são amparadores, há aqueles que querem ajudar mas não tem discernimento, são levadas por apelo emocional, doutrinas ou visando apenas o bem estar de uma pessoa ou um grupo de pessoas.
            Um exemplo de pseudo-amparador(a) seria o caso da mãe que morreu, mas continua a se manifestar através do corpo espiritual ficando próximo do filho, e quando o filho arruma uma namorada, ela por achar que a namorada não é boa (ciúmes), acaba interferindo no relacionamento dos dois, ao invés de ser uma amparadora, esta mãe se tornou uma guia-cega.
            O que podemos fazer para ter mais contato com os amparadores extrafísicos? Recomenda-se desenvolver um elevado índice de auto-organização, ter hábitos sadios e rotinas úteis, ser mais coerente e ético, ter boa intenção, fazer assistência, e pensar nos outros de forma altruísta no dia-dia.
            Amparadores extrafísicos é apenas um dos temas pesquisados e estudados no IIPC Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia. No IIPC o leitor pode encontrar livros, artigos, cursos, palestras e conversar com os voluntários e pesquisadores de forma desdramatizada sobre assuntos espiritualistas.

            William Nascimento é téc. em enfermagem, pesquisador, voluntario e docente do IIPC - Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia, uma instituição de Educação e Pesquisa Científica, pacifista, laica, universalista, sem fins de lucro, não doutrinária, independente, que se destaca pela excelência em cursos e publicações técnico-científicas sobre as ciências Projeciologia e Conscienciologia, telefone para contato: 041-3233-5736 maiores informações no site: www.iipc.org

quinta-feira, 22 de novembro de 2012

Inversão existencial


William Nascimento
          Você leitor conhece ou já conheceu algum jovem de até 26 anos que tenha feito o planejamento máximo da própria vida? O que exatamente foi planejado? Existem jovens que não almejam riqueza, poder, fama e prestígio, mas sim a melhoria de si mesmo e a dos outros, através de uma assistência que vai além do círculo familiar e de amigos. Estes jovens sabem, intimamente, que tem algo a realizar na vida.
            A princípio podemos pensar na possibilidade deste jovem ter planejado ser médico(a), enfermeiro(a), talvez um psicólogo(a), mas embora a parte profissional faça parte dos planos, envolve também o desenvolvimento do parapsíquismo, a percepção além dos 5 sentidos, a atenção se volta para além do intrafísico, com isto seus objetivos assistenciais se ampliam, envolvendo também o extrafísico. Talvez o leitor já tenha ouvido falar de pessoas que conseguem ver, ouvir e sentir a presença de pessoas que já morreram (espirítos), ou até mesmo pessoas que conseguem projetar a consciência para fora do corpo humano (projeção astral, desdobramento). Estas pessoas são conhecidas como clarividentes, sensitivos ou médiuns e tais habilidades parapsíquicas revelam que no extrafísico também existe muita gente precisando de amparo (ajuda, auxilio, assistência).
            A interação com uma realidade além desta dimensão material, possibilita um outro nível de conhecimento, que faz com este jovem tenha um amadurecimento precoce, e desenvolva no seu dia a dia mais coerência, organização, disciplina, afetividade, autodidatismo, autocrítica, autodefesa energética, intelectualidade, comunicabilidade e etc. Tendo sua atenção voltada para uma outra realidade, ele vai receber mais estímulos, ter mais experiência e com isto aumentar sua lucidez e consequentemente seu discernimento, este jovem terá melhores condições de fazer melhores escolhas e ser mais assertivo no seu dia a dia. 
            Com tais experiencias pode-se concluir que este jovem terá por referência um paradigma mais amplo, que envolve muito mais que a simples realidade materialista. O maxiplanejamento se fundamenta em uma ciência mais abrangente, que explica todo o contexto multidimensional, a Projeciologia e a Conscienciologia.
               A proposta do planejamento máximo da vida humana do jovem está inserida nas propostas da técnica da Inversão Existencial, conhecida como invéxis. A técnica auxilia o jovem a amadurecer precocemente, mantendo o foco evolutivo e cosmoético (ética que abrange todo o cosmos). O Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia, realiza estudos com foco na consciência integrada, com todos os seus veículos de manifestação e lugares a onde esta consciência se manifesta. Há muitos recursos e ferramentas para quem tem interesse em se conhecer e dinamizar a sua auto-evolução, através de livros, artigos, palestras gratuitas, cursos e seminários de pesquisas.
           
* William Nascimento é técnico em enfermagem, voluntario e docente do IIPC - Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia, uma instituição de Educação e Pesquisa Científica, pacifista, laica, universalista, sem fins lucrativos, não doutrinária, independente, que se destaca pela excelência em cursos e publicações técnico-científicas sobre as ciências Projeciologia e Conscienciologia, telefone para contato: 041-3233-5736 maiores informaçoes no site: www.iipc.org.

quarta-feira, 21 de novembro de 2012

As imaturidades da riscomania

Diego Lopes
É cada vez mais comum observar no comportamento das pessoas atitudes que colocam suas vidas em risco, muitas vezes incentivadas e até legalizadas, mostrando a forte tendência à riscomania presente na sociedade.
Riscomania é a paixão da pessoa imatura por experiências em que ela coloca a própria vida em risco, seja pelo prazer de determinada emoção (adrenalina), pela necessidade de autoafirmação (baixa autoestima), ou pela sensação de estar cara a cara com a morte.
Independente de quais sejam os motivos, a riscomania é atitude imatura que tem origem no porão consciencial: conjunto de traços negativos relacionados às atitudes instintivas como agressividade e impulsividade, manifestadas com maior intensidade na juventude.
A riscomania, associada ao porão consciencial – período da adolescência em que traços instintivos vem a tona de modo mais intenso -  é fator desencadeante de problemas sociais, tal como o elevado percentual de jovens que morrem em acidentes de trânsito¹. O desejo de autoafirmar-se perante os outros através de atitudes riscomaníacas faz o jovem, notadamente do sexo masculino, exceder os limites de velocidade colocando a sua vida e a dos outros em risco.
Sabe-se que o número de homens nascidos é maior que o de mulheres, mas por volta dos 18 anos a proporção se inverte devido aos jovens do sexo masculino se arriscarem mais. A pessoa riscomaníaca não sabe utilizar seu corpo de maneira adequada, considerando em primeiro lugar a emoção, colocando a saúde em plano secundário.
Vários esportes amplamente divulgados na mídia, com nomes eufemistas como “esportes radicais” e “esportes de aventura”, colocam seus praticantes diante de riscos reais de morte ou danos sérios ao corpo, como o bungee jumping, rafiting e o alpinismo.
Outros esportes, mais populares e amplamente praticados também apresentam riscos aos atletas, como se verificou no caso dos ex-jogadores da liga de futebol americano que entraram com uma ação contra os organizadores da competição reclamando das inúmeras lesões contraídas devido aos constantes choques sofridos na cabeça². Problema semelhante foi levantado no cenário esportivo brasileiro devido ao aumento considerável de casos de lesões em cabeçadas ocorridas em partidas de futebol³.
Pela ótica da Conscienciologia, atividades ligadas à riscomania são secundárias e fruto de imaturidades. A Conscienciologia é a ciência que estuda a consciência de modo integral considerando todos os seus veículos de manifestação (holossoma), todas as suas vidas, anteriores e a atual, e todos os seus atributos, principalmente o parapsiquismo, que permite a vivência de experiências como a projeção consciente (experiência fora do corpo).
Os estudos da ciência Conscienciologia objetivam levar o indivíduo entender que ele é muito mais que um corpo físico, mas precisamos desse corpo em perfeito estado para cumprirmos o que planejamos fazer na atual vida, antes do nascimento físico. Para estarmos alinhados à nossa meta de vida, é importante investirmos nosso tempo em atividades prioritárias e buscarmos o lazer útil que não coloque a vida em risco. Cuidar e zelar pela saúde do corpo físico é sinal de responsabilidade. Colocá-lo em risco demonstra irresponsabilidade e descaso perante o que ainda temos a fazer nesta atual vida.
A pessoa interessada em aprofundar seus estudos conscienciológicos pode optar pela técnica da inversão existencial (invéxis), pela qual ele aplica todos os seus esforços no desenvolvimento prioritário de atividades promotoras da antecipação de conquistas evolutivas como o desenvolvimento do parapsiquismo, da intelectualidade e da comunicabilidade sadios. O inversor procura evitar os mesmos erros já cometidos por muitos jovens e adultos, por pura imaturidade. Para tanto, a necessidade de manter a higidez do corpo físico é prioridade do inversor, colocando a riscomania como atitude antagônica à Invéxis.
Você, leitor ou leitora, já considerou a possibilidade de perder a chance de exercer alguma tarefa libertária nesta vida devido ao risco de uma morte prematura?

Diego Lopes, graduado em jornalismo pela Universidade Positivo, em Curitiba, Paraná, é voluntário e docente-pesquisador do Instituto Internacional de Projeciologia e Conscienciologia desde 2011. Mais informações pelo fone (41)3233-5736 ou pelo site www.iipc.org 

¹ Folha de São Paulo; Jovens respondem por metade das mortes no trânsito, 18.11.11, www.folha.uol.com.br, acessado em 25/02/2012.

² Portal Terra; "Te usam e te jogam fora", diz ex-jogador da NFL com dano cerebral, 25.12.11, www.esportes.terra.com.br, acessado em 25/02/2012.

³ Folha de São Paulo; Cabeçadas em jogos de futebol são cada vez mais graves, 25.06.10, www.folha.uol.com.br, acessado em 25/02/2012.

Fonte: Jornal indústria e comércio publicado em 13 de agosto 2012.