sábado, 6 de outubro de 2012

Sons intracranianos projetivos


O que são os sons intracranianos projetivos?
São ruídos de difícil caracterização percebidos somente pela consciência ao se projetar, quase sempre provenientes do próprio crânio, seja intra ou extracerebralmente, no instante exato da decolagem lúcida através do psicossoma.

Como se classificam estes sons?
Podem ser classificados em duas categorias:
1.      Decolagem. Os sons relacionados com a decolagem do psicossoma que estava interiorizado no soma.
2.      Interiorização. Os sons relacionados com a interiorização no soma do psicossoma que estava projetado na dimensão extrafísica.

Qual a causa destes sons?
Parece que a causa principal desses fenômenos acústicos aqui analisados – os sons intracranianos – é a decolagem súbita ou moderadamente traumática da cabeça extrafísica do psicossoma (paracabeça) da cabeça humana, o que produz o efeito das descargas energéticas intracranianas.
Tais sons podem ser, como hipótese, provocados pelo movimento de ductilização do cordão de prata, que vai deixando de ser camada, distribuída pela cabeça, para ser, de fato, um cordão.

O que se ouve durante o fenômeno do som projetivo?
Estas descargas energéticas são sentidas e ouvidas pelos projetores(as) conscienciais lúcidos e relatadas, por exemplo, ao modo destas 6 categorias de expressões:
1.      Tinidos.
2.      Zumbidos (tinidos graves).
3.      Tintinares (tinidos médios).
4.      Sibilamentos (tinidos agudos).
5.      Estalos ou estalidos (acúfeno de breve duração sem caráter tonal bem-definido).
6.      Chiados, chilreios ou silvados.

Quando geralmente ocorre os sons?
Os sons intracranianos projetivos simultâneos à decolagem  consciente são menos frequentes e mais suaves do que os sons intracranianos simultâneos à interiorização súbita do psicossoma integral (desductilização).
Podem sobrevir os sons consecutivos, em uma só projeção de autoconsciência contínua, ou seja: primeiro, durante a decolagem consciente; depois durante a interiorização consciente.
Os sons intracranianos podem também ocorrer durante várias saídas e reentradas sucessivas ou consecutivas do psicossoma do corpo humano em um curto período de tempo.

Quais os tipos de sons podem ser ouvidos?
Quanto a frequência e intensidade, os acúfenos extrafísicos durante a decolagem e na interiorização do psicossoma do corpo humano em um curto período de tempo.
1.      Alta frequência. Alto ribombo e silvos ou de alta frequência pelo ar.
2.      Alta intensidade. Sons de sinos repicando violentamente ou de alta intensidade.
3.      Baixa frequência. Asas batendo ou de baixa frequência.
4.      Baixa intensidade. De modo suave ou de baixa intensidade.
Tais fatos sugerem que os sons intracranianos durante a decolagem do psicossoma têm relação direta com o estado vibracional (EV).
A intensidade e os tipos variam conforme a personalidade de um projetor(a) para outro.

Quais as características dos sons intracranianos projetivos?
Dentre as características dos sons intracranianos da decolagem destacam-se os sons internos personalíssimos, seja no interior da cabeça, na orelha direita ou orelha esquerda.

Estes sons podem ser prejudiciais?
Os sons são sempre inofensivos.

Com o que se compara os sons intracranianos projetivos?
Não raro, os acúfenos extrafísicos se parecem com os sons advindos de pequenas ocorrências da vida diária tais, por exemplo, estas 5:
1.      Sons metálicos.
2.      Rasgamento de seda.
3.      Queda de grãos.
4.      Batida de porta.
5.      Vibração de corda de violão ou outro instrumento musical.

Quais as utilidades da experiência dos sons intracranianos projetivos?
Os sons intracranianos ouvidos pela conscin com o tempo e a repetição das experiências oferecem-lhe 3 categorias de evidências holossomáticas indiscutíveis ou autopersuasivas:
1.      Holochacra. A existência do holochacra.
2.      Cordão. A existência do cordão ou dos cordões de prata (regionais).
3.      Chacras. A existência dos chacras e ductos de energias conscienciais.

Fonte: Projeciologia pag. 512 e 513.

Nenhum comentário:

Postar um comentário