terça-feira, 15 de novembro de 2011

Cordão de prata

O que é o cordão de prata?
Cordão de prata: laço semimaterial que mantém o psicossoma ligado ao corpo humano com uma conexão inicial do psicossoma e outra, logo depois, no soma.

Sinonímia. amarração do psicossoma; âncora do psicossoma; apêndice estranho; apêndice prateado; barbante de luz; barbante esfumaçado; barbante impalpável; cabo astral; cabo do escafandro físico; canal de animação; canal mulplexo extrafísico; carcereiro; cauda fosforescente; comunicação energética; conexão prateada; corda aka (Huna); corda da vida; corda fina (kol); corda fina de luz; corda magnética; corda psíquica; cordão aromal; cordão astral; cordão cintilante; cordão da vida; cordão de luz; cordão de od; cordão de segurança; cordão de matéria etérea; cordão diáfano; cordão fluídico; cordão magnético; cordão perispirítico; cordão umbilical fluídico; sutratma; variação do cordão umbilical.

Onde se manifesta o cordão de prata?
O cordão de prata exerce as suas atividades em 3 campos de ação bem definidos:
1.      Dentro. O cordão de prata apresenta poder de atuação mínimo na esfera biológica quando multifracionado e passivo na intimidade do corpo humano.
2.      Fora. O cordão de prata exerce o maior domínio, quase pleno, sobre a vontade subconsciente e sobre o psicossoma quando deixa o corpo humano, dentro de um raio de 4 metros, ou na esfera extrafísica de energia (psicosfera pessoal).
3.      Distante. O cordão de prata, como se fosse delgada linha luminosa, mantém o psicossoma projetado na dimensão extrafísica ou dimener, quando atua à distância do corpo humano, além dos referidos 4 metros de raio em relação ao cérebro (encefálico).

Como se manifesta o cordão de prata?
Á semelhança da glândula pineal e do ectoplasma, o cordão de prata é um elemento parabiofísico, ou seja: embora de algum modo enraizado na intimidade das células físicas, transcende em suas manifestações energéticas os limites da matéria densa, ou as áreas próprias da Biologia Física, atingindo a Parabiologia.
O cordão de prata constitui o pivô do fenômeno da projeção da consciência intrafísica através do psicossoma, além de ser o pivô da morte biológica ou do corpo humano (dessoma).

Onde fica o cordão de prata?
Supõe-se, por hipótese, que a conexão do cordão de prata no corpo humano se dê pela medula oblongada e o encéfalo, talvez mantendo relação com a glândula pineal e uma série de ramificações intracelulares pelo organismo todo, não parecendo terminar na pele do índividuo, mas dando a impressão de adentrar o corpo humano, estabelecendo ligações profundas com os centros vitais de todos os órgãos.

Nas conexões do cordão de prata devem ser consideradas duas categorias de extremidade:
1.      Maior. A extremidade maior, chamada raiz cônica, que é o lado mais potente, com local de inserção variado, sendo ordinariamente na região da cabeça, saindo da região frontal ou região nucal, e com sede física no interior da cabeça podendo ser a medula oblongada ou a epífise. Esta conexão só desaparece com a primeira dessoma.
2.      Menor. A extremidade menor, raiz fina, mais rarefeita, com local de inserção e sede no psicossoma. Esta conexão só desaparece com a segunda dessoma.

Quais as características do cordão de prata?
Dentre as características da paranatomia do cordão de prata, destacam-se, pelo menos, estas 10 variáveis:
01.  Minicordões. As ramificações ou os vários minicordões ou fios finos e elásticos cintilantes junto ao corpo humano.
02.  Raiz. A raiz principal quando o cordão de prata se distancia do corpo humano.
03.  Calor. O calor e a nudez de tecido humano cru.
04.  Espessura. A espessura, os diâmetros variáveis e os ductos.
05.  Peso. O peso, o volume, a densidade,  o formato e extensibilidade.
06.  Sensibilidade. A sensibilidade tátil e a sensibilidade térmica.
07.  Brilho. O brilho, a luminosidade, a coloração prateada e a fosforescência.
08.  Pulsação. A pulsação.
09.  Textura. A textura.
10.  Alcance. O raio de alcance ou perímetro mais extenso ou vigoroso.

A coloração do cordão de prata varia de pessoa para pessoa, embora predomine a cor branca brilhante e fosforescente, daí o seu nome popular.

O cordão de prata participa da natureza material do corpo humano e da natureza extrafísica do psicossoma, sendo pois um composto de componentes das estruturas do corpo humano e do psicossoma, elemento híbrido ou intermediário energético; constituindo-se sua estrutura de um conglomerado de corpúsculos luminosos de energia de natureza mais próxima do psicossoma do que da matéria densa; uma substância assemelhada ou mais sutil do que o ectoplasma, nesta analogia, mais denso ou biológico.

Entre as características da parafisiologia do cordão de prata merecem ser ressaltadas, pelo menos, estas 17 variáveis:
01.  Conexão. Ligação ou conexão (link) soma-psicossoma.
02.  Livre-arbítrio. Agente do livre-arbítrio extrafísico (liberdade).
03.  Retenção. Retenção e liberação do psicossoma.
04.  Vitalidade. Vitalidade, sensibilidade e flexibilidade.
05.  Retratilidade. Retratilidade e extensibilidade indefinidas, ao longo de todo o cordão.
06.  Tenuidade. Densidade, tenuidade, invisibilidade e visibilidade.
07.  Projeção. Atuação no desenvolvimento dos fenômenos da projeção consciente.
08.  Automatismos. Automatismos inconscientes (mecanicismos).
09.  Impulsos. Impulsos vitais bidirecionais.
10.  Ponto. Ponto crítico na potência de retenção do psicossoma.
11.  Exteriorização. Atuação nos mecanismos de exteriorização das energias conscienciais.
12.  Volitação. Acesso à volitação desimpedida (Extrafísicologia).
13.  Chacras. Relação com os chacras.
14.  Dessomática. Atuação na transição da morte biológica ou dessoma.
15.  Holochacrologia. Relação com os chacras.
16.  Rédea. Funcionar na condição de rédea do ser intrafísico ou conscin.
17.  Clarividência. Relação com a clarividência viajora.

Eis 5 outras funções menos evidentes ou ainda mais sutis do cordão de prata:

1.      Formas. Responsável pelas diferenças de formas (visuais, fisionomias) entre a consciex e a conscin ou o projetor intrafísico projetado.
2.      Repercussões. Executor de repercussões físicas e extrafísicas.
3.      Densidade. Regulador da densidade do psicossoma através da graduação do lastro de substância energética semimaterial através do holochacra, às vezes com a dispensa da interiorização, seja na base física ou a certa distância.
4.      Pontencialização. Responsável pela variação do percentual energético e suas conseqüências.
5.      Desaparecimentos. Patrocinador dos desaparecimentos repentinos nas ocorrências de defesas extrafísicas.

Quais as parapatologias do cordão de prata?
Dentre as características que compõem a parapatologia do cordão de prata destacam-se, pelo menos, 3 categorias de conseqüências:
1.      Decolagem. Conseqüências da decolagem imperfeita.
2.      Interiorização. Conseqüências da interiorização imperfeita.
3.      Repercussões. Conseqüências das repercussões físicas e extrafísicas.

Não existe ainda nenhum índicio comprobatório, mas suspeita-se, com lógica e racionalidade, que ocorram influências ponderáveis das alterações do cordão de prata sobre os distúrbios ou as síndromes que afetam a personalidade intrafísica, particularmente no que respeita às psicopatias ou doenças mentais avançadas.

É possível a ruptura acidental do cordão de prata em certas circunstâncias mortais como por exemplo, na deslocação da pressão do ar devido à explosão de de bomba de grande poder de impacto, causando receio, choque (onda de choque) e vibração, e expulsando a conscin do soma através de uma projeção pelo psicossoma com violência.

Em certos casos de parapatologia, o cordão de prata da conscin enferma funciona como se fosse um conjunto de cordões de marionetes para as consciexes assediadoras.

O processo da primeira dessoma, a desativação do corpo humano,  parece que não tem ínicio nas células do soma, e sim na estrutura do cordão de prata. Em geral a ruptura do cordão de prata desencadeia a decomposição do corpo humano. Contudo os fatos evidenciam que pode ocorrer a ruptura do cordão de prata sem que tenha iniciada a decomposição do soma.

Nenhum comentário:

Postar um comentário